Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

Segundo Passos, Costa só reduziu a dívida da câmara graças às verbas que o Governo pagou pelo aeroporto


O contexto

Costa afirmou ter reduzido em 40% a dívida da Câmara de Lisboa, em contraponto com o aumento em 19% da dívida da República ocorrido durante o Governo PSD/CDS-PP. Passos respondeu que a redução da dívida da câmara foi conseguida, em boa parte, à custa da indemnização do Estado pelos terrenos do aeroporto.

Os factos

A dívida legal da autarquia ascendia a 965,4 milhões de euros em 2007, ano em que António Costa assumiu a presidência do município. No final de 2014, tinha baixado para 618 milhões, uma redução de 35%. Passos Coelho argumenta que parte desse decréscimo se deve à compra dos terrenos do aeroporto pelo Estado, que permitiu à câmara encaixar 286 milhões e reduzir a dívida em 43%. Porém, mesmo retirando este valor, a dívida da autarquia cai, embora de forma menos expressiva (cerca de 8%).

Mas a leitura dos números tem dado origem a diferentes interpretações, consoante a rubrica para que se olhe e as parcelas que se incluam ou excluam. É que da mesma forma que a oposição camarária sublinha que os terrenos do aeroporto foram uma receita extraordinária, também o executivo municipal alega que o passivo da EPUL (Empresa Pública de Urbanização de Lisboa), internalizado nas contas da câmara em 2014 (83 milhões), e o acordo com a Bragaparques (101 milhões), foram despesas excepcionais, que impedem comparações fiáveis com o passado.

A redução de 40% referida por António Costa tem em conta a dívida legal, descontando o efeito do passivo líquido da EPUL, ou seja, acrescenta às contas de 2007 o passivo da EPUL para que se possa comparar com 2014. A dívida desce, assim, de 1038 para 618 milhões. Mesmo descontando o valor dos terrenos do aeroporto, regista-se uma queda na ordem dos 15%.

Olhando para a rubrica passivo total, os 1380 milhões registados em 2007 caem para 1195 milhões em 2014, uma queda de 13%. Se se retirassem os terrenos do aeroporto, concluir-se-ia que o passivo teria até aumentado, mas a verdade é que, em 2007, as contas da câmara não incluíam a EPUL, pelo que se estaria a comparar o incomparável.

Em resumo

Tanto Passos como Costa falam verdade. As contas da Câmara de Lisboa melhoraram. Para isso, também contribui o dinheiro dos terrenos do aeroporto, mas, mesmo retirando esta parcela, a dívida da câmara foi reduzida.
 

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo