Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

Câmara de Santarém baixa dívida para 71,5 milhões

Câmara de Santarém baixa dívida para 71,5 milhões

A Câmara de Santarém diminuiu a sua dívida em 5,6 milhões de euros durante o ano de 2015, uma redução de 7,3% face a 2014, estando atualmente nos 71,5 milhões de euros, a maior parte à banca.

A redução é ainda maior se tivermos em conta que em 2011 a dívida do município ascendia a 99,7 milhões de euros, ou seja, nos últimos 4 anos, desde que Ricardo Gonçalves substituiu o ex-presidente Moita Flores, a autarquia baixou a dívida em cerca de 28 milhões de euros (28%).

“É o primeiro relatório que evidencia uma consolidação das contas, indicando que vamos por um caminho que é sustentável”, afirmou o presidente da autarquia, Ricardo Gonçalves, na reunião do executivo municipal desta segunda-feira, 18 de abril, onde as contas da autarquia foram aprovadas com os 4 votos a favor do PSD, 4 abstenções do PS e o voto contra da CDU.

Além do pagamento de dívidas a fornecedores, o autarca salientou ainda o resultado conseguido através da renegociação de empréstimos e taxas de juro com a banca, que se traduziu numa poupança de cerca de 227 mil euros e muito contribuiu para o saldo positivo de 4,6 milhões de euros das contas de 2016.

Ricardo Gonçalves afirmou mesmo que, com estes resultados, "é expectável que o município possa baixar impostos [atualmente à taxa máxima devido ao pedido de apoio ao Estado] mais rapidamente que o previsto no plano de saneamento financeiro".

O presidente da autarquia enfatizou também o facto da autarquia estar atualmente a pagar a tempo e horas, seja às associações e juntas de freguesia, seja aos seus fornecedores. "Já estamos a pagar a esmagadora maioria das faturas de abril", garantiu, apontando ainda as taxas de execução de 90% para nas receitas e 85% nas despesas.

 

 

Oposição aponta aspetos negativos

Por parte da oposição, as maiores críticas vieram do vereador da CDU, que chumbou mesmo a Prestação de Contas e Balanço Social do ano de 2015. Jorge Oliveira considera que a maioria PSD "mais não tem feito que agravar condições de vida dos cidadãos, primeiro duplicando diívida do PS e agora na resolução das trapalhadas criadas" pela gestão de Moita Flores.

"Não conseguimos vislumbrar início do caminho do crescimento", disse ainda o vereador da CDU, acrescentando que "o pagamento da dívida é importante" mas também é necessária uma política "que evite degradação património municipal e das condições de vida de quem vive e trabalha no concelho de Santarém".

Já o PS, por Celso Braz e Ricardo Segurado, criticou a falta de investimento (cerca de 2,6 milhões em 2015) e a passividade de Ricardo Gonçalves enquanto vereador no tempo em que a autarquia era lidera por Moita Flores.

"Lamento que não fosse tão assertivo entre 2006 e 2011", acusou Segurado, que terminou considerando que a "autonomia da autarquia está fortemente limitada" devido ao aumento da dívida nesse período de 6 anos.

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo