Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

Espinho tem 430 mil euros de rendas sociais em dívida, uma de 60 cêntimos

Espinho tem 430 mil euros de rendas sociais em dívida, uma de 60 cêntimos

A Câmara de Espinho quer reaver os 430 mil euros que os inquilinos da habitação social devem à autarquia, devido a rendas em atraso há vários anos e algumas das quais no valor mensal de 60 cêntimos.

Do parque habitacional do concelho, atualmente distribuído por 428 arrendatários, os faltosos são 181 e os seus valores de renda situam-se entre os 60 cêntimos e os 144 euros por mês.

Tendo em conta esses valores, fonte da autarquia garantiu à Lusa que "estas dívidas não devem ser encaradas como resultantes de carências económicas, mas atribuídas a incumprimento displicente".

Além de envolverem "valores muito baixos, na média dos 23 euros mensais ", essas rendas mantiveram-se "sem qualquer atualização ao longo dos tempos e abrangem um conjunto de pessoas multi-assistidas socialmente pelo Estado".

Em termos globais, já com juros de mora incluídos, a dívida mais baixa é de 14 euros e refere-se a um inquilino que está em incumprimento desde 1988, por nunca ter pago as rendas de 60 cêntimos mensais.

A dívida mais avultada, por sua vez, é de 24 mil euros e reporta ao acumulado de rendas de 74 euros mensais que nunca foram pagas ao longo de 18 anos.

Tendo em conta que sucessivas propostas de regularização por parte da Câmara não surtiram efeito até aqui, o Executivo municipal defende que esses incumprimentos estão a criar "situações de injustiça social e não estimulam os arrendatários a tratarem o edificado com a responsabilidade exigível".

"A diminuição constante de verbas oriundas das rendas compromete seriamente a sustentabilidade do sistema de habitação social municipal", continua a mesma fonte da autarquia, "e reduz seriamente a capacidade de se reinvestir na manutenção dos edifícios".

A 30 de abril termina, por isso, o que a Câmara anuncia como "a última oportunidade para regularizar as rendas sociais em atraso".

Para esse efeito, foram já definidas duas alternativas: a liquidação integral da dívida, o que dará direito ao perdão dos juros de mora já vencidos; ou o pagamento faseado em 48 prestações de valor nunca inferior a 50 euros mensais, no que serão incluídos juros vencidos e vincendos.

Realçando que "a habitação social não é uma atribuição vitalícia", fonte da autarquia garante que, a partir de 1 de maio, acionará meios legais coercivos contra os arrendatários que se mantiverem em falta, avançando para os respetivos despejos e procedimentos judiciais.

 

 

 

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo