Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

Hernâni, o comissionista da PT, ficou a dever €11,7 milhões ao Banif

Hernâni, o comissionista da PT, ficou a dever €11,7 milhões ao Banif

Créditos a duas das empresas – a Plusvag Investimentos e a Lucricapital – de Hernâni Vaz Antunes estão sem pagamento desde 2014. As dívidas ao Banif já em tribunal ascendem a 11,7 milhões de euros

Hernâni Vaz Antunes, o homem que ficou famoso pela comissão de 69 milhões de euros que reclamou por ter intermediado o negócio da compra da PT Portugal pela Altice com a brasileira Oi, ficou a dever 11,7 milhões de euros ao Banif. Os dados fazem parte da listagem de créditos de junho de 2015 do banco recentemente vendido ao Santander, a que o Expresso teve acesso. E mostram que as suas duas empresas - Plusvag Investimentos e a Lucricapital - estão em dívida com, respetivamente, €5,1 milhões e €6,6 milhões.

No caso da Plusvag Investimentos, são três empréstimos de €4,8 milhões, €335 mil euros e €12 mil, concedidos entre 2006 e 2013, que estavam, na altura, em incumprimento há quase um ano. O Expresso já tinha noticiado a 18 de julho de 2015 que havia um litígio em tribunal entre Vaz Antunes e o Banif, precisamente por causa destas dívidas da Plusvag. O Banif, noticiou então o Expresso, avançou com uma ação de execução no tribunal de Braga em dezembro de 2014.

Os empréstimos à Lucricapital são também três com valores de, respetivamente, €3,2 milhões, €3,4 e oito mil euros. Os dois primeiros foram concedidos em 2013 e 2007, enquanto o último, de menor dimensão, data de 2006. Tal como os financiamentos da Plusvag, também estes estavam em incumprimento há quase um ano, no final de junho de 2015.

Segundo o relatório da Informa DB, a Lucricapital é uma sociedade anónima criada em 2006, com sede em Amares (já esteve em Braga), que não tem dívidas ao Fisco, teve prejuízos entre 2011 e 2014 e que tem duas ações executivas em tribunal interpostas pelo Banif em 2015 que somam precisamente €6,6 milhões. Há também um pedido de insolvência por parte do banco em novembro do ano passado. A Informa DB não revela que Hernâni Vaz Antunes é acionista desta empresa que, na listagem dos créditos do Banif, lhe é atribuída.

O Banif já tinha feito provisões de cerca de metade deste montante no primeiro semestre do ano passado. O Expresso tentou obter uma reação de Hernani Vaz Antunes mas não obteve resposta até este momento.

Hernâni Vaz Antunes é conhecido por ser um dos braços direitos do presidente e acionista da PT Portugal, Armando Pereira. Tem sido uma figura central nas negociações da PT Portugal com os fornecedores e saltou para as luzes da ribalta quando em 2015 ficou a saber-se que reclamava em Tribunal uma comissão de 69 milhões de euros à brasileira Oi, por alegamente ter intermediado o negócio de venda à Altice. Tratava-se de uma providência cautelar e o tribunal não lhe deu razão.

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo