Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

Juros das dívidas disparam com vitória de Trump

Juros das dívidas disparam com vitória de Trump

Investidores receiam que as futuras políticas comerciais protecionistas e de investimento público de Donald trump possam fomentar a inflação.

A ‘yield’ das Obrigações portuguesas a 10 anos dispara 18,1 pontos base para 3,451%, acompanhando a subida do prémio de risco dos pares europeus para máximos dos últimos meses, com receios que as futuras políticas comerciais protecionistas e de investimento público de Donald trump possam vir a causar um aumento de inflação.

Os mercados acionistas estão a recuperar em grande força do choque inicial com a vitória do candidato Republicano Donald Trump nas Presidenciais dos EUA. Os investidores estão a focar-se no tom conciliador do seu discurso de vitória e do potencial efeito económico de algumas das suas promessas que incluem cortes de impostos, maior investimento em infraestruturas e defesa, e a potencial desregulação do sector financeiro.

Conforme refere Steven Santos, gestor do BiG, “se Trump materializar a sua agenda protecionista, haverá maiores barreiras à importação de bens e serviços, o que se traduz ao fim de pouco tempo em mais inflação. Os custos alfandegários deverão aumentar para bens provenientes de países como a China, o México e a Africa do Sul, o que gera inflação nos produtores e, subsequentemente, consumidores norte-americanos. O investimento em infra-estruturas pesadas também será forte, o que vai gerar mais oferta de emprego num mercado com pouca disponibilidade, o que deverá provocar aumento dos salários”.

A inflação é vista tradicionalmente como uma das principais penalizadoras do retorno no mercado de ‘fixed income’.

Segundo a Reuters, “Os investidores parecem também mais confiantes que a Reserva Federal dos Estados Unidos subirá as taxas de juro em Dezembro e continuam atentos à possibilidade do Banco Central Europeu ponderar a reversão das suas medidas de estímulo monetário.”

As ‘yields’ das dívidas espanhola e alemão sobem 14,5 e 12,6 pontos base, respetivamente, para 1,415% e 0,309%.

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo