Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

Prescrevem quatro crimes por dia e arguidos ficam por punir

Prescrevem quatro crimes por dia e arguidos ficam por punir

A justiça portuguesa deixa prescrever uma média de quatro crimes por dia. Segundo os dados do Ministério da Justiça avançados ao Diário de Notícias, em cinco anos, mais de 7 mil arguidos escaparam à punição.

 

Casos de emissão de cheques sem provisão, condução sem carta ou crimes fiscais fazem parte da lista de crimes que prescrevem todos os dias nos tribunais portugueses. No total, entre 2008 e 2012, cerca de 7.005 arguidos com processos-crime escaparam a uma eventual condenação.

Segundo os dados do Ministério da Justiça avançados ao Diário de Notícias, dentro da lista encontram-se 428 casos de arguidos envolvidos em crimes como homicídios, agressões físicas graves e violações.

A esta lista juntam-se também os crimes em que a Polícia Judiciária não consegue identificar qualquer suspeito, como o caso do ‘Estripador de Lisboa’, que matou em série três mulheres entre 1992 e 1993.

Segundo a lei penal em Portugal, quinze anos é o tempo que um crime com pena superior a dez anos leva a prescrever e o Estado é obrigado a desistir.

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, alegando que “os cidadãos não suportam mais processos que se arrastam anos e prescrevem”, decidiu que, em casos em que já haja a condenação do arguido, suspende-se a contagem do prazo enquanto o tribunal espera pela decisão do recurso.

Esta medida foi decisiva para a diminuição de 49% dos crimes prescritos, que se registou entre 2009 e 2012.

 

 

 

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo