Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

"O maior esforço tem sido pedido à indústria farmacêutica"

"O maior esforço tem sido pedido à indústria farmacêutica"

O Governo está a renegociar com as farmacêuticas um novo acordo para o pagamento das dívidas hospitalares.

 

Paulo Macedo, ministro da Saúde, disse esta manhã, na X Conferência da Indústria Farmacêutica organizada pelo Diário Económico e pela MSD, que este é o sector a quem têm sido pedidos os maiores sacrifícios. 

"Não tenhamos dúvidas sobre onde é que tem sido pedido o maior esforço. O maior esforço tem sido pedido na redução das margens - que não em quantidades como está demonstrado quer em matéria hospitalar quer em matéria de ambulatório. O maior esforço tem sido pedido à indústria farmacêutica", declarou.

Paulo Macedo, que falava na sessão de abertura da conferência que está a decorrer em Lisboa, disse esperar " que se torne estrutural a possibilidade de [ter] acordos com a indústria farmacêutica". "Fizemos acordos nos anos anteriores e estamos a negociar para este ano" um novo acordo.

O primeiro acordo para o pagamento das dívidas hospitalares, negociado em 2012 entre a indústria e a Apifarma, no âmbito do memorando da 'troika', previa a regularização dos pagamentos relativos a 2011 e 2012, mas várias empresas tem admitido que as dívidas não foram saldadas e houve um alargamento do prazo médio de pagamentos.

Na sua intervenção desta manhã, Paulo Macedo fez um balanço das medidas concretizadas pelo seu Ministério nos últimos dois anos, sublinhando, entre outros aspectos, que em matéria do medicamento foi aprovada a prescrição por princípio activo e que o preço dos medicamentos passou a ser fixado por referência internacional, o que permite a Portugal ter dos preços mais baixos da União Europeia.

 

 

 

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo