Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

A I Guerra começou há cem anos mas o Reino Unido ainda tem dívidas por pagar

A I Guerra começou há cem anos mas o Reino Unido ainda tem dívidas por pagar. Governo anunciou que vai resgatar parte da dívida emitida em títulos "patrióticos" durante a Grande Guerra.

No ano em que se assinala o centenário do início da I Guerra Mundial, o Governo britânico anunciou que vai pagar no próximo ano parte da dívida britânica contraída para financiar o esforço de guerra - o primeiro pagamento do género em 67 anos.

O ministério das Finanças vai pagar 218 milhões de libras (278 milhões de euros) de um total de dois mil milhões em dívida dos National War Bonds, títulos de dívida emitidos em 1917, para financiar o esforço de guerra.

Com uma taxa de juro de 5% e enormes campanhas publicitárias em que se pedia ao público para fazer este investimento patriótico, cerca de três milhões de britânicos compraram estes títulos. Em 1927 Churchil promoveu a reestruturação desta dívida, com juros de 4%, incluindo no bolo títulos que financiaram as guerra napoleónicas do século XIX.

 

 

 

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo