Menu
Costa quer Bancos a pagar dívidas da banca

Costa quer Bancos a pagar dívidas d…

A Caixa Geral de Depósito...

Dívida dos hospitais aumenta

Dívida dos hospitais aumenta

Pagamentos em atraso atin...

Nova penhora a mansão de luxo de Pinto da Costa

Nova penhora a mansão de luxo de Pi…

Casa é atualmente ocupada...

Dívida 30 milhões das prisões:  Ministra sem “nenhuma evidência de fome nas prisões"

Dívida 30 milhões das prisões: Min…

A ministra da Justiça gar...

O outro lado do plano PERES

O outro lado do plano PERES

A decisão de adesão [ao P...

Contribuintes detectam falhas no plano de pagamento de dívidas fiscais

Contribuintes detectam falhas no pl…

Sindicato diz que as “inc...

Avisos do fisco podem usar ‘perdão fiscal’

Avisos do fisco podem usar ‘perdão …

Empresas analisam impacto...

Fisco acelera notificações de cobrança de dívidas fiscais de 2012

Fisco acelera notificações de cobra…

A Autoridade Tributária e...

A dívida da Câmara de Lisboa foi paga pelo Governo?

A dívida da Câmara de Lisboa foi pa…

Segundo Passos, Costa só ...

“Perdões” fiscais deram 3000 milhões ao Estado em 12 anos

“Perdões” fiscais deram 3000 milhõe…

São a “derradeira oportun...

Prev Next

On Screen Feedburner Popup by Infofru

Receive all updates via Feedburner. Just subscribe below.

Subscribe to Receive Free Email Updates:

Author Site:Reviewresults

Close

Condomínios começaram a ter “dívidas incobráveis” devido à crise

Condomínios começaram a ter “dívidas incobráveis” devido à crise

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Gestão e Administração de Condomínios (APEGAC), Vítor Amaral, afirmou nesta sexta-feira que a crise originou dívidas incobráveis, que têm aumentado progressivamente. “Sempre tive muitas acções em tribunal, mas não tinha uma única situação incobrável. Com esta crise, desde há três anos para cá já tenho vários casos”, admitiu o dirigente, que está no sector há 19 anos. Empresa do dirigente da associação de empresas de gestão de condomínios soma dois milhões de euros de débitos vencidos.

 

Na véspera do 1.º Congresso Nacional de Condomínios, Vítor Amaral explicou tratar-se de pessoas que “não têm por onde pagar (...), não trabalham, não têm um carro, não têm bens penhoráveis”. Os apartamentos estão já na posse do banco, onde foi pedido o crédito, ou pertencem a outra pessoa, disse.

Quando o apartamento ainda é propriedade da pessoa tende a haver uma hipoteca por “um valor superior ao valor real” da casa, cujo valor da venda “vai todo para o credor hipotecário, deixando os outros sem nada”, indicou.

Na empresa do dirigente da APEGAC somam-se dois milhões de euros de débitos vencidos e desse total metade deu origem a acções judiciais.

“O condomínio é sempre a última coisa que se paga, porque não há uma consequência directa e imediata”, ao contrário da falta de pagamento da luz ou da água, reforçou.

No 1.º Congresso Nacional de Condomínios, a realizar no sábado, em Lisboa, Vítor Amaral prevê o anúncio pelo Instituto da Construção e do Imobiliário (INCI) da aprovação da regulação da actividade “muito em breve”.

“Esta é uma actividade que não está regulamentada e que envolve muita gente: cerca de 60 a 70% vive em propriedade horizontal, em condomínios”, notou o responsável à Lusa.

 

 

 

Deixe comentário

Confirme que introduziu (*) informação requerida cfr assinalado. Código HTML code não é permitido.


Anti-spam: complete the taskJoomla CAPTCHA
Regressar ao topo